Meu pai, meu herói! Por @papaipig


Olá Pessoal,

"Meu Pai, meu Herói! "Aqui estão algumas palavras que fazem sonhar pais. Que pai não quer ser um super-herói para os pequenos olhos de uma criança?

Por muito tempo pensou-se que apenas a mãe era indispensável e insubstituível, e que o pai teria um papel secundário. Os homens, então, teriam pouco importância se comparado as mães? O que se sabe sobre os efeitos do envolvimento prático dos pais? E primeiras interações que ligam o pai à criança? O que nos ensina estudo mais sérios sobre o que deve ser a contribuição dos dois sexos para o bom desenvolvimento de uma criança?  Diante de tantos assuntos a abordar, escolhi esse primeiro tema a fim de desempenhar um papel informativo quanto a importância dos pais.

Hoje em dia, sabemos que o pai desempenha um papel essencial com a criança . A influência do pai é muito mais ampla do que um registro de nascimento e fomento das necessidades materiais diárias, é uma plataforma de lançamento para o outro, e para o mundo. Estudos têm mostrado que a maioria dos meninos de 18-20 meses se mostram mais sociáveis  a uma pessoa estranha a si na presença de seu pai, do que na presença de sua mãe. O pai também desempenha um papel na construção de linguagem. Quando a criança aprende a falar, os pais (ser masculino) usam um vocabulário mais sofisticado e fazem mais pedidos de esclarecimento: "O que você está dizendo? Eu não entendi”. O pai é um parceiro mais difícil, forçando a criança a ser compreendida por outras partes, fazendo-a se desenvolver para o mundo adulto.

A melhor forma de explicar a importância do pai, é escrevendo sobre o prejuízo da sua ausência... Se o pai é ausente no corpo ou na autoridade, não há transferência de identificação da mãe com o pai. A ausência do pai significa automaticamente uma crescente influência dos atributos maternos, do sexo feminino, carregado com uma responsabilidade muito pesada e desequilibrada em sua relação educacional e emocional com a criança...

Nesse conflito, a criança, em especial os meninos,  se vêem “perdidos” de uma referencia masculina, dessa forma, irá procurar em outro uma figura  de uma pai “ideal” para se espelhar, a criança precisa de valores e alguém para admirar e seguir...Não há dor maior para uma criança do que não ter o seu “herói” em casa, e isso se dá  por padrões destrutivos que aprendemos com nossos pais, ser um pai “ausente” é a pior das  “heranças”  que se pode dar a uma criança,  e só vem a prejudicar nossos filhos, e nossa sociedade. Por isso, eu digo, a paternidade é como ser um super-herói,  e com grandes poderes, se tem grandes responsabilidades! E dentre os “poderes” que se deve difundir, um deles, ou melhor, o maior deles, é ser presente na vida do seu filho.

O que vocês acham quem uma criança prefere? Um brinquedo? Ou um pai participativo?

Seja o melhor amigo do seu filho(a), a certeza é que ele te dirá uma dia... "Meu Pai, meu Herói!”.

Até o próximo texto!



Igor Rodrigues

@papaipig
Share on Google Plus

Sobre Fabiana Cayres

Fabiana, 34 anos, especialista em Tecnologia da Informação. Portadora de endometriose e após quatro tentativas de Fertilização in vitro, tornou-se a mamãe dos gêmeos Mariana e Gabriel. Neste cantinho vou compartilhar com vocês a rotina maluca de uma mamãe de gêmeos que não tem ajuda para cuidar dos pequenos. Sou mamãe de primeira viagem e de gêmeos!

0 comentários :

Postar um comentário